Marco Vivo

marco vivoDesde 1997, a etnia Jenipapo-Kanindé realiza a Festa do Marco Vivo de Yburana. O ritual teve início quando um grupo de lideranças, tendo à frente a Cacique Pequena, convidou os parentes Tapeba, Pitaguary e Tremembé para uma celebração espiritual da natureza.

Todo mês de abril, o Marco Vivo reúne povos indígenas em orações, cantos e danças, um encontro com seus ancestrais e o pai Tupã. O ritual, ecológico e sustentável, é um momento de reafirmação e intercâmbio de identidades indígenas, buscando reconhecer o território e a cultura material e imaterial.

Durante a festa, acontece o Toré, ritual de espiritualidade indígena manifestado em danças e cantos, um dos elementos de cultura mais atuantes no sentido de fortalecer os laços de ancestralidade da comunidade, importante também para orientação e articulação política.

Em 15 edições do Marco Vivo, a festa mantém o ritual de plantar um tronco de imburana no chão. Os índios dançam o toré ao redor da imburana para celebrar as lutas e conquistas. A árvore simboliza o marco vivo da delimitação de terras dos Jenipapo-Kanindé.